João Onofre, Catriona Sings..., 2003, [still]
João Onofre, Catriona Sings..., 2003, [still]

MNAC

entrada: Condições Gerais

Nothing will go Wrong

João Onofre

2003-05-13
2003-05-18
Curadoria: Pedro Lapa
Nos vídeos de João Onofre uma acção performativa tem sempre lugar diante da câmara fixa. A apropriação de diversos géneros consignados para as mais diversas performances é considerada nas suas estruturas, códigos e retórica, mas também diferida pela sobreposição de um projecto absurdo e estranho. Por outro lado, os executantes não estão nunca fami­liarizados com a totalidade dos respectivos dispositivos, provocando uma tensão e deslocação que inscreve o acto numa ordem que lhe é exterior. No final de cada vídeo os performers descontraem-se e libertam-se do enquadramento sob um fade out.
Consequentemente estes géneros são afectados na sua determinação. Uma consideração do intervalo entre a estabilidade que qualquer género assume no seio de um sistema cultural e o devir a que a performance o submete é intensificada nos trabalhos de João Onofre. Um conjunto de jovens modelos a declamar um chavão humanista, um coro tradicional, treinado em música sacra, cantando The Robots dos Kraftwerk ou um par de mágicos fazendo levitação no atelier do artista, não só inscrevem uma ironia relativamente a pretensões históricas precisas, como subvertem os dispositivos dos respectivos géneros. Na sua inabilidade de execução deixam escapar os sinais do que poderíamos designar pelas suas exterioridades. É então na conjugação destes contextos tão diversificados que os vídeos de João Onofre abordam criticamente a relação entre um género e a representação. O esforço manifestado pela incomodidade dos performers inscreve a tensão que une uma ordem à construção de realidade. Por isso, o próprio esforço do acto performativo funciona como a metáfora da coesão e disparidade de elementos que constroem o vídeo. Uma das determinações iniciais do entendimento do vídeo consistiu na sua possibilidade de registo de um acto performativo. É então na devolução dessa dimensão, entendida nas suas possibilidades críticas ao submeter-se a uma das suas ordens discursivas, que os vídeos de João Onofre rearticulam a enunciação dos actos.

Pedro Lapa
Director do Museu do Chiado


Em Exibição

.

2022-11-25
2022-12-30
MOSAICO | Uma imaginação coletiva
Exposição Coletiva

Echoes of Nature

Manuela Marques

2022-10-21
2023-01-29
Curadoria: Emília Tavares
Exposição no âmbito da programação da Temporada Portugal-França 2022
Exposição individual

IMAGO LISBOA Photo Festival

Harri Pälviranta

2022-10-07
2023-01-08
O IMAGO LISBOA Photo Festival é um acontecimento marcante no panorama da fotografia nacional e internacional. Este ano com a mostra “Battered”; “Choreography of Violence”; “News Portraits”
Exposição individual

Multiplicidade

TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA

2022-10-02
2023-01-08
Curadoria: Tau Tavengwa, Vyjayanthi Rao
A cada três anos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
Exposição Coletiva

PORQUÊ?

2022-09-23
2023-01-08
Curadoria: Ana Matos
PORQUÊ? A ARTE CONTEMPORÂNEA EM DIÁLOGO COM O PENSAMENTO DE JOSÉ SARAMAGO
Exposição temporária

Veloso Salgado

de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português

2022-07-02
2022-12-15
Curadoria: Maria de Aires Silveira, MNAC e Elikya Kandot, Directora do museu de Boulogne-sur-mer
Exposição Veloso Salgado de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português - integrada na programação da Temporada Portugal-França (Cruzada)
Fora de Portas

Desde 1911

2022-05-26
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
111 anos

Maria Eugénia & Francisco Garcia

Uma Coleção

2021-11-18
2022-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares e Raquel Henriques da Silva
O MNAC expõe a coleção de Maria Eugénia e Francisco Garcia
Exposição temporária