Salomé Lamas. Extinção, 2018
Salomé Lamas. Extinção, 2018

Sala SONAE

entrada: Condições Gerais

SALOMÉ LAMAS, EXTINÇÃO, 2018

2018-09-21
2018-11-25
Curadoria: Emília Tavares
O mais recente filme de Salomé Lamas foi rodado em pleno conflito, durante a anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia (2014/2015) e constitui uma complexa reflexão sobre o significado de fronteira, identidade nacional e imperialismo, percorrendo checkpoints entre a Bulgária, Moldávia, Roménia e Ucrânia.

Construído como uma trama documental e ficcional, o filme centra-se num pequeno país, a Transnístria, com uma história política e social complexa que evidencia o jogo de forças que ocorre na região, entre a Rússia e os países limítrofes outrora sob a esfera da URSS. Muito embora pertencente à Moldávia, a Transnístria reclama a sua independência a par de uma integração na Federação Russa, aspiração que não é reconhecida nem pelo Kremlin, nem internacionalmente, o que não impede que exista uma clara ocupação de influência social, política e económica neste pequeno país, por parte da Rússia, criando mais um foco de tensão permanente na região.

O filme expõe também o confronto da memória (através da literatura e dos monumentos) com a decadência de um futuro, através do personagem Kolka, de nacionalidade moldava mas que reclama a sua identidade de transnístrio, vivendo em conflito entre uma identidade à deriva e um sentimento de amor incondicional à pátria, cuja idade, simbolicamente, é a mesma da queda do regime comunista. A vida de Kolja é também o reflexo de um confronto histórico entre Leste e Oeste, expondo as fragilidades do projeto da Comunidade Europeia perante a imposição de uma nova vaga de nacionalismos e regimes autocráticos.  

Extinção é um filme que toma posição, e nesse sentido coloca-nos perante a possibilidade de ultrapassar muitas das ideais pré-concebidas sobre a Europa de Leste e a sua história recente, que julgamos cristalizada numa polaridade entre comunismo e pós-comunismo, mas que se apresenta bem mais complexa, e que encontra no divórcio entre a política e a vida a sua mais gritante expressão. 

Emília Tavares

Curadora

 

 

 


Atividades

    2018-09-21 19h00
    Documentação e criação no cinema de Lamas de Salomé. Conferência por Nico Marzano
    2018-11-06 19h00
    A documentalidade na obra de Salomé Lamas. Conferência por Sara Magno
Ver todas as atividades 2

Em Exibição

Loops Lisboa. 4ª edição

2018-11-30
2019-02-03
SOBRE O LOOPS.LISBOA
Vídeo

MIGUEL SOARES. Luzazul

2018-11-23
2019-02-24
Curadoria: Adelaide Ginga
Miguel Soares é o artista convidado nesta 3ª edição do projecto bienal SONAE / MNAC Art Cycles e traz-nos em LUZAZUL uma proposta artística inédita que reflecte sobre a Inteligência Artificial.
Art Cycles

Tomás da Anunciação (1818 - 2018)

Bicentenário do nascimento do artista

2018-10-26
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
O MNAC assinala o dia 26 de outubro, data em que se comemoram os 200 anos do nascimento do pintor
Evento

O poder da imagem

2018-10-12
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
Estes retratos de artistas, poderosos em sensibilidade e qualidade técnica, destacam-se pelo seu carácter inédito.
Exposição da coleção

Carlos Relvas (1838-1894) - Vistas Inéditas de Portugal

A Fotografia nos Salões Europeus

2018-09-27
2019-01-20
Curadoria: Victor Flores, Ana David Mendes, Denis Pellerin, Emília Tavares
Esta exposição revela um dos períodos menos conhecidos da fotografia de Carlos Relvas e um conjunto considerável e inédito de provas originais em albumina
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção