Sala Polivalente

Entrada Livre

theatrum orbis terrarum, 2013

Salomé Lamas

2013-10-17
2013-11-17
Curadoria: Emília Tavares
O Teatro do Mundo
O cinema de Salomé Lamas assenta em mordazes golpes na realidade tal como a julgamos conhecer. As suas narrativas visuais elaboram-se através de um ecrã de simulações que corrompe todas as taxinomias entre racional e irracional, ciência e poesia, tradição e progresso, história e lenda, realidade e ficção e mais dualidades poderiam ser enumeradas ad infinitum.

A presente instalação vídeo da artista desfaz, uma vez mais, muitas dualidades, na sua maioria insondáveis, tanto na origem como no destino. A instalação Theatrum Orbis Terrarum, ou Teatro do Mundo, evoca aquele que é considerado o primeiro atlas moderno, atribuído ao cartógrafo e geógrafo flamengo Abraham Ortelius e impresso em 1570. As suas fontes foram diversas e muitas delas são desconhecidas ou estão desaparecidas, fundando, desde logo, o saber científico do mundo sob a premissa do acaso e da imponderabilidade.

O atlas que a artista realiza nesta obra é o da construção de memórias, consciente da sua ténue fiabilidade e do mítico encanto dos seus enunciados. Os lugares de outrora estão absortos na sua própria longevidade e, quando a imagem fantasma de mundos perdidos submersos se encontra com o mundo organizado e classificado dos despojos de civilizações antigas, sublinha-se a retórica ancestral do mar como a única possibilidade intemporal.

Nenhum fio narrativo, temporal ou espacial é possível neste diluir de fronteiras que é a memória da existência. A natureza assume assim o papel fundamental, afastando-se de toda a leitura cultural, que aqui surge mascarada de lengalenga abstracta na visita à arqueologia dos objectos sem vida a que a protagonista intemporal assiste com desleixo existencial.

De uma forma mais ampla, esta obra de Salomé Lamas esvazia todas as contingências entre tempo e espaço, enquanto ironiza com os grandes debates da modernidade sobre a natureza duradoura ou instantânea do tempo. Desenha-se um novo mapa que questiona a ciência da civilização, prometendo antes uma poesia primordial em mutação e incessante devir.

Emília Tavares



Em Exibição

.

2022-11-25
2022-12-30
MOSAICO | Uma imaginação coletiva
Exposição Coletiva

Echoes of Nature

Manuela Marques

2022-10-21
2023-01-29
Curadoria: Emília Tavares
Exposição no âmbito da programação da Temporada Portugal-França 2022
Exposição individual

IMAGO LISBOA Photo Festival

Harri Pälviranta

2022-10-07
2023-01-08
O IMAGO LISBOA Photo Festival é um acontecimento marcante no panorama da fotografia nacional e internacional. Este ano com a mostra “Battered”; “Choreography of Violence”; “News Portraits”
Exposição individual

Multiplicidade

TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA

2022-10-02
2023-01-08
Curadoria: Tau Tavengwa, Vyjayanthi Rao
A cada três anos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
Exposição Coletiva

PORQUÊ?

2022-09-23
2023-01-08
Curadoria: Ana Matos
PORQUÊ? A ARTE CONTEMPORÂNEA EM DIÁLOGO COM O PENSAMENTO DE JOSÉ SARAMAGO
Exposição temporária

Veloso Salgado

de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português

2022-07-02
2022-12-15
Curadoria: Maria de Aires Silveira, MNAC e Elikya Kandot, Directora do museu de Boulogne-sur-mer
Exposição Veloso Salgado de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português - integrada na programação da Temporada Portugal-França (Cruzada)
Fora de Portas

Desde 1911

2022-05-26
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
111 anos

Maria Eugénia & Francisco Garcia

Uma Coleção

2021-11-18
2022-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares e Raquel Henriques da Silva
O MNAC expõe a coleção de Maria Eugénia e Francisco Garcia
Exposição temporária