Chorinho, 1942 Têmpera sobre tela MNAC-MC. Inv. 1463
Chorinho, 1942 Têmpera sobre tela MNAC-MC. Inv. 1463

Piso 1

entrada: Condições Gerais

A MÃO-DE-OLHOS-AZUIS DE CANDIDO PORTINARI (1903-1962)

2017-10-13
2018-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira

As obras apresentadas nesta exposição integravam um conjunto de oito painéis de temática musical que decoravam a Rádio Tupi, no Rio de Janeiro, em 1942, da autoria de Cândido Portinari (Brodowsqui, S. Paulo, 1903 - Rio de Janeiro, 1962). Após o incêndio do seu auditório, em 1949, o MNAC e MNSR recebem a doação destas duas obras, em 1951, através da empresa Diários Associados, de Assis Chateaubriand, também proprietário da emissora.

Raramente expostas, estas peças de temática popular sugerem a fraternidade do universo ibero-americano, a diversidade étnica do povo brasileiro e a sua cultura musical. Chorinho é um género de música popular, um modo de tocar. Cavalo-marinho é uma representação festiva de narrativas declamadas. Ambos revelam uma construção geométrica de fundos, em composições próximas de uma planificação de volumes, recortados por sombras, linhas e planos. Numa redução cromática, entre azuis raros e castanhos, destacam referências picassianas.

Valorizado como o pintor “mais popular do Brasil” (Mário Dionísio, 1963) Portinari integra-se num modernismo original e clássico, num “nacionalismo estético” (Mário de Andrade) através de expressivas deformações da figura e de um “otimismo” baseado na afirmação heróica do trabalho. Destaca-se como pintor social e artista oficial. Pesquisa as raízes nacionais, constrói um imaginário mítico brasileiro mas afasta-se da ideologia do Estado Novo. Liga a pintura social à comunicação visual e sublinha a importância do gesto num realismo dramatizado, nestes casos, pela música e narrativa popular. Por isso, a mão e o seu olhar observador traçam um percurso original, expresso na poesia de Carlos Drummond de Andrade, A mão-de-olhos-azuis.

 






Apoios

Parcerias

Atividades

    2017-11-09 18h30
    Conferência “Chorinhos e canções, com flauta, cavaquinho e violões...” por Rodrigo Teodoro
    2017-12-09 16h00
    Conferência “A presença de Portinari em Portugal: afinidades e contributos” por Luísa Duarte Santos
Ver todas as atividades 2

Em Exibição

Multiplicidade

TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA

2022-10-02
2023-01-08
Curadoria: Tau Tavengwa, Vyjayanthi Rao
A cada três anos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
Exposição Coletiva

.

2022-09-23
2022-11-11
Curadoria: RUI AFONSO SANTOS
A casa e a esfera doméstica têm constituído um dos vetores do trabalho de Mimi Tavares.
Exposição individual

PORQUÊ?

2022-09-23
2023-01-08
Curadoria: Ana Matos
PORQUÊ? A ARTE CONTEMPORÂNEA EM DIÁLOGO COM O PENSAMENTO DE JOSÉ SARAMAGO
Exposição temporária

A Pintura sublimou o espírito

2022-07-28
2022-10-30
Curadoria: Hilda Frias
Após residência artística no Museu Nacional de Arte Contemporânea, este é o fruto de um trabalho e pesquisa persistentes, de Nelson Ferreira.
Exposição individual

Veloso Salgado

de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português

2022-07-02
2022-12-15
Curadoria: Maria de Aires Silveira, MNAC e Elikya Kandot, Directora do museu de Boulogne-sur-mer
Exposição Veloso Salgado de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português - integrada na programação da Temporada Portugal-França (Cruzada)
Fora de Portas

Desde 1911

2022-05-26
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
111 anos

Maria Eugénia & Francisco Garcia

Uma Coleção

2021-11-18
2022-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares e Raquel Henriques da Silva
O MNAC expõe a coleção de Maria Eugénia e Francisco Garcia
Exposição temporária