Piso 0

entrada: 5.00€

Sarau

Bill Orcutt

2010-07-10
Curadoria: Filho Único

Provavelmente o mais crucial e influente dos guitarristas a trabalhar no avanço do vocabulário do blues e do rock desde o arranque da década de 90, Bill Orcutt, depois de um hiato de uma dúzia de anos, lançou no final de 2009 um documento chave para a progressão das possibilidades do instrumento.

Até agora celebrado como mestre da guitarra eléctrica, foi co-fundador, juntamente com Adris Hoyos (bateria e voz), dos Harry Pussy (1992-1997), duo (e mais tarde trio) explosivo que aglutinava o rock, ao punk hardcore, ao free jazz, a um conhecimento rico da história das margens e raízes destas músicas. A banda tomou todas estas referências atomizando-as em canções curtas e violentíssimas, que versavam uma catarse pós-atonalista de uma maneira que veio a revolucionar a história de todo o rock de preocupações estéticas contemporâneas que surgiu no seu encalço.

‘A New Way To Pay Old Debts’ (Palilalia Records, 2009) é o primeiro álbum a solo de Orcutt e a sua estreia num universo acústico. Utiliza uma guitarra que tem desde criança, que se foi partindo e sendo restaurada ao longo dos anos, a passar por um amplificador (encontrado na rua nos anos 80) e um microfone de guitarra, tomando inspiração no som de Elmore James, celebrado músico de blues eléctrico norte-americano.

Nesta transição para a acústica, prossegue empregando, tal como no seu registo anterior, apenas quatro das seis cordas tradicionalmente utilizadas na guitarra, trabalhando a sua volumetria a um ponto de hipersensibilidade do instrumento, que é tocado com o maior fogo e ímpeto, por vezes parecendo que a sua madeira vai estalando ao ponto de estar prestes a partir-se por completo.

Conjuga várias heranças de música real e crua do último século, dos delta blues de Mississipi Fred McDowell, passando por um estudo profundo de fontes aparentemente tão díspares como Derek Bailey, Glenn Gould ou Cecil Taylor, ou o flamenco de Ramon Montoya. Este cruzamento de tradições, ideias e vocabulários, permite-lhe armar um discurso que inclui uma série de elementos anteriormente encarados como contraditórios nas normas da improvisação ou da composição instantânea. Um trabalho melódico caligráfico ladeado por uma aguda noção de atonalismo, uma cadência rítmica turbinada paralela a quebras constantes em ataque percussivo do instrumento, uma capacidade clínica em fazer com que a música desapareça repentinamente, e uma noção ritualizada de narrativa e estruturação da própria escrita, de onde resulta um novo e impressionante léxico de expressão musical.

Cancelamento da data inicial em Abril

Editora

Vídeo para a Wire

Entrevista

Em Exibição

Imago 2021

Joakim Eskildsen

2021-10-14
2022-01-02
O MNAC é, mais uma vez, parceiro do festival Imago Lisboa, cujas propostas expositivas serão distribuídas por vários espaços da cidade e acolhe, na presente edição, o trabalho do fotógrafo, Joakim Eskildsen.
Exposição temporária

O artista do momento: o Homem do Paleolítico

2021-10-03
2021-11-25
No âmbito da participação nas Jornadas Europeias do Património, o MNAC apresenta uma exposição do cartoonista Luís Afonso
Exposição individual

Cursos de desenho e aguarela

2021-09-04
2021-11-06
Cursos de desenho e aguarela ministrados por Nelson Ferreira
Curso

O Caminho para a Luz porque Passa pela Luz

2021-06-22
2021-11-14
Com curadoria de João Biscainho, a exposição inaugural da nova Galeria Millennium BCP apresenta uma seleção de obras num diálogo entre as coleções do MNAC e do Millennium bcp, e de outras coleções nacionais e internacionais.
Exposição Coletiva

Ciclo “Mulheres Pintoras no Mundo Ibero-Americano” 2021- 2022

2021-06-17
2022-03-03
Ciclo de palestras que apresenta Pintoras que foram especialmente actuantes no Mundo Ibero-Americano e que ao longo dos séculos contribuíram para diminuir o preconceito de género e pôr fim a uma série de estereótipos no mundo das artes.
Palestras

Olhares modernos

O retrato em pintura, escultura, desenho (1910-1950)

2021-05-18
2021-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
Cruzamento de olhares e o gosto por enquadramentos pictóricos na coleção do MNAC.
Exposição temporária

110 anos

2021-05-18
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
.