Sala Polivalente

entrada: Condições Gerais

2023.2024

2024-02-25
2024-03-03
LOOPS.EXPANDED 2023-2024

Pelo 9º ano consecutivo, o Museu Nacional de Arte Contemporânea e a Duplacena e apresentam uma exposição dedicada ao loop. Da poesia aos pontos de vista formais e filosóficos dos artistas, seis obras seleccionadas através da convocatória da rede internacional Loops.Expanded desconstroem e reconstroem esta forma seminal da imagem em movimento. Na abertura do ciclo no espaço DUPLACENA 77 está em busca de Averróis, onde o português João Cristóvão Leitão tece uma construção majestosa sobre a circularidade da memória. Numa segunda sala, justapõem-se duas obras curtas: O MANIFESTO DE DUCHAMP (“Além disso, são sempre os outros que morrem”), do espanhol Fermín Díez de Ulzurrun, um conto preventivo sobre causas e consequências do deep fake; e o pandémico Notebook of the Plague, uma visão crítica e intimista de Terry Berkowitz, videoartista norte-americana no activo desde a década de 1970. No MNAC são apresentadas três obras consecutivamente. A primeira é a icónica obra experimental de videoarte 0778, do brasileiro Marcellvs L., um poema que opera na transição da linguagem analógica magnética para a digital num plano geral que oscila com o tempo, o espaço e a percepção. Em Chantier (2023), o artista francês Cyril Galmiche explora as suas ideias de simultaneidade, sobreposição e relativização objectiva da realidade, ao coreografar ao longo de quase duas horas e meia os movimentos de um estaleiro de obras. E Ponto Cego da artista portuguesa Helena Ferreira, é uma instalação que brinca com a materialidade da luz, os seus reflexos e a possibilidade de considerar as imagens dentro e fora de foco como o mais paradoxal dos loops.

 Alisson Avila e Irit Batsry