Veloso Salgado (Orense, Espanha, 1864 - Lisboa, 1945) Retrato de Adrien Demont, 1891 Óleo sobre tela, Coleção particular, França
Veloso Salgado (Orense, Espanha, 1864 - Lisboa, 1945) Retrato de Adrien Demont, 1891 Óleo sobre tela, Coleção particular, França

Piso 2 - Sala Dos Fornos

entrada: Condições Gerais

O poder da imagem

2018-10-12
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira

Os retratos de Adrien Demont e Virginie Demont-Breton por Veloso Salgado

Apresentação no âmbito da visita  guiada por Maria de Aires Silveira dia 11 de outubro às 18h30

A ligação próxima entre Veloso Salgado e os pintores Adrien Demont e Virginie Demont-Breton representa uma situação excecional de cumplicidades artísticas e amizade profunda. Veloso Salgado esteve em Wissant, perto de Calais, no Norte de França, onde o casal construíra casa e Adrien transformara a vila numa terra de artistas e numa escola de efeitos de luz e “ar-livre”. Veloso Salgado conhecera Virginie Demont-Breton, mulher de Adrien e filha do paisagista Jules Breton (1827-1906) em 1888, no seu atelier, durante a permanência em Paris como bolseiro do Estado. Recebia encomendas e a todos conquistou com a sua simpatia, segundo as memórias publicadas por Virginie.

Em 1891, pintou o Retrato de Adrien Demont (1851-1928) paisagista sensível de crepúsculos. O retrato impunha-se pelo poder da imagem, sob o efeito de uma amizade e admiração mútuas. Uma pose natural, o gosto de descrição do traje, os pincéis sobre a mesa, intensificavam a sedução do olhar meditativo de poeta-pintor, interessado na luz e tonalidades da cor, como algumas pinturas de Veloso Salgado, Noir et Rose, de 1892, e pinturas simbolistas da década de 1890.

O Retrato de Virginie Demont-Breton (1859-1935) de 1894 revelava uma lutadora, de paleta e pincéis elevados como uma deusa-caçadora. Artista de forte personalidade registava os quotidianos das famílias de pescadores, e a bravura do mar do Norte de França, com um dinamismo semelhante ao da fundação da União das mulheres pintoras e escultoras e de uma Escola aberta a mulheres artistas. A sua pintura inspirou Veloso Salgado em A flor do mar, de 1892, tanto pela temática como pela cor.

Estes retratos de artistas, poderosos em sensibilidade e qualidade técnica, destacam-se pelo seu carácter inédito. A sua expressividade e pintura tonal revelam uma observação psicológica dos retratados e a amizade que os unia, valorizando os seus perfis artísticos como fórmula visual de prestígio social e intelectual. Existe uma importante correspondência, amistosa e profissional, trocada desde 1896, em Lisboa e França, recentemente completada com as cartas de Veloso Salgado para o casal Demont. Por outro lado, a descoberta destes retratos e o envolvimento do autor com Wissant são determinantes para uma inovadora reflexão sobre as obras de Veloso Salgado e o seu percurso artístico.

M.A.S.

 

 







Em Exibição

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a exploração do tema
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

A incontornável tangibilidade do livro ou o ANTI-LIVRO

2019-03-22
2019-08-04
Curadoria: Luis Alegre e Adelaide Ginga
Materialmente estimulante, imaterialmente ilimitado, o Livro é talvez, o objeto dos objetos
Exposição Coletiva

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-10-27
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção