Jardim de Esculturas

Entrada Livre

Noites de Verão 2017

2017-08-04
2017-08-25
Curadoria: Filho Único
No seu oitavo ano de vida, o ciclo de concertos Noites de Verão apresentar-se-á entre o Jardim dos Coruchéus, em Alvalade, pela primeira vez, e o espaço habitual do Jardim de Esculturas do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, mantendo-se o horário das Sextas-feiras, pelas 19h30, e com entrada livre.

Em Julho no Jardim dos Coruchéus
Em Agosto no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado

Este programa de música ao vivo programado pela Filho Único é coproduzido com o MNAC a EGEAC, as Galerias Municipais e o Jardim dos Coruchéus:

Galerias Municipais e Jardim dos Coruchéus:
7 de Julho - Ogoya Nengo & The Dodo Women's Group (KE) + Bruno
Silva DJ set
14 de Julho - Volúpia das Cinzas (PT) + Varela DJ set
21 de Julho - Hieroglyphic Being (US) + Novo Major DJ set
28 de Julho - Vaiapraia e as Rainhas do Baile (PT) + Pega Monstro DJ
set

Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado:
4 de Agosto - Ricardo Rocha (PT)
11 de Agosto - Gigi Masin (IT)
18 de Agosto - Calhau! (PT)
25 de Agosto - Primeira Dama (PT)

Ogoya Nengo & The Dodo Women's Group (KE)
Ogoya Nengo, nascida Anastasia Oluoch em 1943 na pequena aldeia de Magoya, perto das margens do Lago Victoria do lado do Quénia, descende de uma família de mulheres oradoras e cantoras Dodo, uma prática e função tradicional de mensageiras e comentadoras na sua comunidade, que tomou para si ainda jovem. Recebeu o nome ‘Ogoya Nengo’ por volta dos 13 anos, que significa algo como ‘A Valorosa’. Ogoya tornou-se um fenómeno de popularidade há altura, digressionando na região com a sua música, cantando para chefes tribais, guerreiros e oficiais coloniais que ficavam fascinados com o seu talento. A sua abordagem ao Dodo, um género que está em perigo de desaparecer, é uma de cariz muito pessoal: a sua música de envolvência mística e porosa suspensão do tempo, é centrada na sua voz poderosa. Ela é uma artista folk em continuidade activa há mais de três décadas, mas cujo trabalho tem sido confinado à sua região, algo que mudou com a edição internacional do álbum "Rang’ala - New Recordings From Siaya County, Kenya" em 2014 pela Honest Jon’s. Fazendo uso apenas da voz e elementos de percussão, é ainda um outro documento da canção como língua universal. O sucessor “On Mande” foi publicado no ano passado pela recém-criada TAL Recordings sediada em Düsseldorf .
Vídeo ao vivo - https://youtu.be/LrGiqGokIzE
Montagem vídeo pela editora - https://youtu.be/zQaFJsQHqN4

Volúpia das Cinzas (PT)
Formação orquestrada por Gabriel Ferrandini, que ganhou vida numa
residência artística promovida pela Galeria Zé dos Bois ao longo de 2016, fruto da intenção do baterista – já reputadíssimo nos círculos internacionais do jazz e da música improvisada não idiomática – em construir trabalho no campo da composição.
Dedicou-se a escrever “temas originais numa onda descrita pelo próprio como “classic jazz meets free improv”” como o texto da ZDB revelava no primeiro anúncio, “acompanhado por dois cúmplices de longa data: o contrabaixista Hernani Faustino e o saxofonista Pedro Sousa.” Continuando citando, pela justeza das palavras “O primeiro, seu parceiro no RED Trio e uma das pontes primordiais para o diálogo geracional que desde sempre tem sido criado com a maior das naturalidades, e o segundo como uma espécie de alma gémea do baterista, num crescimento paralelo que toma aqui uma nova forma de estar igualmente sincera.”
Entrevista e ao vivo no Ginga Beat -
https://www.redbullradio.com/shows/ginga-beat/episodes/vol-422-volupia-dascinzas
Entrevista ao Ípsilon
https://www.publico.pt/2016/01/20/culturaipsilon/noticia/gabriel-ferrandini-embusca-
da-sua-verdade-1720004

Hieroglyphic Being (US)
Hieroglyphic Being é por ventura o mais inimitável e resiliente produtor de música electrónica e de dança dos nossos dias, com um percurso
independente e, até certa altura, marginal, pela atitude ética e gesto estético com que sempre impregnou o que criava e como o mostrava. Cresceu na cultura House da sua nativa Chicago, integrando ideias e formas de outros campos como o jazz, industrial ou ambiente, e polinizando sem pruridos misticismo New Age, literatura esotérica ou ficção científica para cartografar o seu mundo conceptual múltiplo e em constante movimento. No ano passado celebrou 20 anos da sua editora Mathematics e, entre a proficuidade de edições e pseudónimos por outros tantos selos discográficos, destaca-se em
tempos recentes o álbum ponto de rebuçado “The Disco’s of Imhotep” na Technicoulour. Um espírito inquisitivo no terreno movediço da nebulosa “dance culture”, entre ortodoxias reaccionárias, políticas identitárias progressistas, mecenato de marcas homogeneizante e volta e meia aquele PA sofrível que é preciso superar.
ORIGINS: Hieroglyphic Being | Resident Advisor
https://youtu.be/ufVyNPcogS4“This Is 4 The Rave Bangers” https://youtu.be/bHuRuyXpY04

Vaiapraia e as Rainhas do Baile (PT)
Na opinião do jornalista e crítico musical Rui Eduardo Paes, “1755” foi o melhor álbum de rock editado no nosso país em 2016, apesar de não ter surgido na maior parte das listas do ano, fosse porque o seu lançamento ocorreu já no final do mesmo ou porque Rodrigo Vaiapraia lançou o apelo de que não se façam “rankings” de música. Uma coisa é certa: a quantidade de textos saídos na Imprensa sobre o disco já no início de 2017 ou o facto da Galeria Zé dos Bois ter esgotado na sua festa de lançamento provou que tal não aconteceu por alheamento. O primeiro longa-duração dos Vaiapraia e as Rainhas do Baile é também o primeiro trabalho que em Portugal representa a tendência musical a que se dá o nome de queercore. Nos temas deste terramoto feito de agitações pessoais muito profundas e intensas, as de um queer com orgulho de o ser, convivem uma adopção nada inocente da pop bubblegum e uma abordagem punk que tem tudo de militante e interventiva, resultando numa música que tanto nos anima como nos põe a pensar e a querer agir. As suas aparições ao vivo são ocasiões especiais e quase raras, apesar do trio já ter partilhado o palco com bandas internacionais como Trash Kit, Peach Kelli Pop ou Feels.
Bandcamp https://vaiapraia.bandcamp.com
Vídeo “Rapaz Nº 1” https://youtu.be/k1K2PvffIKI

Ricardo Rocha (PT)
Nasceu em 1974, sendo neto do guitarrista Fontes Rocha, um nome incontornável do repertório da guitarra portuguesa tão enraizado na música popular no nosso país. Começou a tocar guitarra aos 8, e nos seus verdes anos a curiosidade levou-o ao piano, instrumento e repertório associado que considera tê-lo permitido compor para a guitarra portuguesa. Agraciado já por duas vezes com o Prémio Carlos Paredes, assim como recipiente do Prémio Revelação Ribeiro da Fonte para Jovens Compositores e Troféu Amália Rodrigues para Melhor Guitarra Portuguesa, diz sempre ter distinguido e vivido “com muita disciplina os dois mundos: a guitarra e o mundo do fado, e depois poderia criar-se outro mundo paralelo ao do fado”. Ou como a editora Mbari propunha em 2010 pelo lançamento do seu
segundo álbum “Luminismo”, apelando a entendê-lo para além da técnica fenomenal evidenciada, Ricardo Rocha “assemelha-se mais a um cirurgião, extraíndo o tumor ‘Fado’ de um instrumento que raramente conheceu vida própria, para além da inscrita nessa tradição de Lisboa”. Afiançou um provável ‘adeus aos palcos’ em nome próprio a 29 de Março de 2011, num monumental concerto no Teatro Maria Matos em que apresentou a integral –até essa data – das suas composições para guitarra portuguesa. Em 2014 lançou um novo disco, ''Resplandecente'', com um quarteto de guitarras interpretado pelo próprio em lúcida heteronímia, revelando que “subverter um cânone socorrendo-me de outro – o do quarteto – provou-se simplesmente irresistível.”
Neste regresso aos concertos apresentará um conjunto de Prelúdios para guitarra portuguesa, inéditos em disco, intuindo-se novo abalo sísmico na literatura do instrumento por este raro, desafiante e precioso compositor intérprete.
“Irradiante” (do álbum “Resplandescente”, Mbari, 2014)
https://soundcloud.com/mbari-m-sica/ricardo-rocha-irradiante
“Luminismo” (Mbari, 2010) https://ricardorocha.bandcamp.com/releases

Gigi Masin (IT)
Nascido em Veneza em 1955, Gigi Masin tem estado em actividade como músico desde o início da década de 70. Marcou uma geração italiana de DJs nas estações de rádio FM, essencialmente pelo seu trabalho pioneiro de ‘turntablism’ ao actuar com pratos de vinis, mesa de mistura, electrónica ao vivo e loops de fita em espectáculos de artes do palco e para a rádio nacional. O seu primeiro álbum a solo “Wind” chegou só em 1986, tornando-se ao longo dos anos um clássico de culto, pois a singular música baleárica ambiental nele fixada, algures entre Harold Budd e Arthur Russel, não chegou a um público alargado devido a distribuição comercial deficitária e uma cheia que destruiu a maioria da tiragem em armazém. Três anos depois edita na Sub Rosa “Les Nouvelles Musiques Du Chambre” em duo com Charles Hayward dos This Heat e no virar da década edita “Wind Collector”, novamente a solo, e segue-se uma pausa nos discos por um período de 20 anos. Ao longo do tempo vários artistas de diferentes quadrantes foram-no samplando, dos To Rococo Rot (‘Die Dinge Des Lebens’) a Bjork (‘It’s In Our Hands’) aos Main Attrakionz (‘Church’).
A holandesa Music From Memory resgatou-o em 2014 para uma compilação em vinil duplo, ‘Talk To The Sea”, ilustrando a sua obra por cerca de 30 anos.
Há dois anos, na mesma editora, surgiu “Clouds” dos Gaussian Curve, um trio de Gigi Masin com Jonny Nash (Land of Light) e Marco Sterk (mais conhecido como DJ Young Marco).
“Talk To The Sea” (Compilação, Music From Memory, 2014) https://musicfrom-
memory.bandcamp.com/album/talk-to-the-sea
Boiler Room - https://youtu.be/6R_SLGYHE3g

Calhau! (PT)
Von Calhau! nasceu no Porto em 2006 e “designa todo o trabalho produzido em bicomunhão prática por João Artur e Marta Ângela”. Desde a sua incepção tem desenvolvido um admirável contínuo transdisciplinar em artes visuais, filme e música. A sua produção de desenhos e obra (seri)gráfica, explorações em poesia visual, engenho de instrumentos musicais, idealização de figurinos e caracterização cenográfica, e apresentação pública de projecções de filmes, concertos, performances e lectures, evocando referências que vão desde Lygia Clark a Raymond Roussel bem como evidenciando um fascínio pelo “elitismo, às vezes esotérico, de certas manifestações da cultura popular (rural)” como qualificava João César Monteiro, em entrevista por alturas de ‘Veredas’, interpelam-nos a considerar
as fabulosas dimensões fasciculadas que compõem a sua cosmologia calhauística. Realizações recentes em Lisboa incluem o espectáculo Tau Tau que esteve em cena por duas noites no Teatro da Politécnica, no âmbito da BoCA, e a exposição ‘Valun Chão’ na Galeria Pedro Alfacinha, consecutiva a ‘Rotornariz’ no mesmo espaço.
Site http://www.einsteinvoncalhau.com
TeaserÚ https://youtu.be/oQ3UGrXEqA8

Primeira Dama (PT)
Manel Lourenço é desde o início de 2015 Primeira Dama e, a partir do
aparecimento do colectivo e editora Xita, este rapaz lisboeta tem vindo a trabalhar com os seus amigos formas de transformar a natural afiliação em matéria relevante para o cancioneiro nacional.
A história começou muito antes quando este se vê rodeado de músicos em toda a sua família, tanto paternal como maternal. Estudou música durante quase 10 anos da sua vida e encontrou instrumentos de criação e expressão musical, como o saxofone, obviamente o piano e os teclados, sem esquecer a sua desenvolta tessitura vocal que faz com que tenha aprendido a lidar com a melodia e a harmonia sem grande esforço. Lançou o debute “Histórias por Contar” no ano passado, gravado com a orientação de Filipe Sambado, uma
coleção de cantigas pop atlânticas, uma foz de cafeína num mar de codeína, onde episódios do quotidiano, rasurados, abstractos, buscavam pelo universal a partir da sua experiência individual e geracional. Este Verão chega-nos o ambicioso novo disco, homónimo, gravado em Aveiro, com a ajuda preciosa de João Sarnadas (Coelho Radioactivo).
“Primeira Dama” (2017, Xita Records)
https://xitarecords.bandcamp.com/album/primeira-dama
“Histórias por Contar” (2016, Xita Records)
https://xitarecords.bandcamp.com/album/hist-rias-por-contar



Parcerias

Em Exibição

Multiplicidade

TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA

2022-10-02
2023-01-08
Curadoria: Tau Tavengwa, Vyjayanthi Rao
A cada três anos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
Exposição Coletiva

.

2022-09-23
2022-11-11
Curadoria: RUI AFONSO SANTOS
A casa e a esfera doméstica têm constituído um dos vetores do trabalho de Mimi Tavares.
Exposição individual

PORQUÊ?

2022-09-23
2023-01-08
Curadoria: Ana Matos
PORQUÊ? A ARTE CONTEMPORÂNEA EM DIÁLOGO COM O PENSAMENTO DE JOSÉ SARAMAGO
Exposição temporária

A Pintura sublimou o espírito

2022-07-28
2022-10-30
Curadoria: Hilda Frias
Após residência artística no Museu Nacional de Arte Contemporânea, este é o fruto de um trabalho e pesquisa persistentes, de Nelson Ferreira.
Exposição individual

Veloso Salgado

de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português

2022-07-02
2022-12-15
Curadoria: Maria de Aires Silveira, MNAC e Elikya Kandot, Directora do museu de Boulogne-sur-mer
Exposição Veloso Salgado de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português - integrada na programação da Temporada Portugal-França (Cruzada)
Fora de Portas

Desde 1911

2022-05-26
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
111 anos

Maria Eugénia & Francisco Garcia

Uma Coleção

2021-11-18
2022-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares e Raquel Henriques da Silva
O MNAC expõe a coleção de Maria Eugénia e Francisco Garcia
Exposição temporária