Hugo Canoilas - Endless Killing (2008)
Hugo Canoilas - Endless Killing (2008)

Negrais

Entrada Livre

Morte Sem Fim

Hugo Canoilas

2016-07-16
Curadoria: Emília Tavares

Morte sem fim é a primeira iniciativa pública do projeto Debaixo do Vulcão de Hugo Canoilas que será apresentado no Museu Nacional de Arte Contemporânea- Museu do Chiado (MNAC-MC) para a 2a edição do MNAC/SONAE Art Cycles de 18 de Novembro de 2016 (inauguração) a 26 de Março de 2017.

 

No dia 16 de Julho, a pintura panorâmica de 100 metros, Endless Killing (2008), será instalada numa pedreira de pedra amarela localizada a 500 metros do centro da vila de Negrais. Esta instalação especial serve como convite a visitar o local onde decorrerão filmagens que farão parte de um dos filmes a serem expostos em Novembro. Este momento será também uma oportunidade de conhecer a obra Endless Killing.

Esta obra de escala imponente, uma interpretação da história da violência construída através da própria história da pintura, foi realizada e apresentada pelo artista pela primeira vez no Centro de Arte Contemporaneo Huarte em Espanha. Dado a sua origem remontar a esse outro contexto, ao ser exposta como cenário para a filmagem durante a Festa de Negrais e passar a incorporar o local e os espectadores,  a obra ficará sujeita a uma reformulação do seu sentido. Esta transformação da obra, do evento e do público em parte integrante das filmagens reformula também a relação entre espectadores passivos e ativos, entre agentes receptores e agentes formadores de experiência.

 

Morte sem fim irá ainda contar com uma presença musical, com um  concerto de Filipe Felizardo e a banda sonora de Sonja. O material musical apresentado propõe-se como banda sonora para o filme em produção e, em sintonia com o conceito do projeto Debaixo do Vulcão, será simultaneamente um objeto autónomo e um fragmento da totalidade do projeto.

 

Deste mesmo modo, Morte sem fim, como evento autónomo terá também como complemento os petiscos tradicionais e bebidas características de uma festa de vila servidas numa caravana. Sobre esta caravana encontra-se a enigmática frase “No se puede vivir sin amar.” Um elemento, com tom de convite iniciático, que se desvelará com o decorrer do projeto.


Transporte gratuito mediante marcação prévia e sujeito ao limite de lugares disponíveis, de Lisboa para Negrais e regresso a Lisboa. Marcações até 6ª feira 15 Julho às 14h.

Marcações através do email: mnacchiado@gmail.com ou do telefone 21 3432148

Local de partidas e regresso: Rua Capelo 13, Chiado (à entrada do MNAC – Museu do Chiado)

Horário de partidas de Lisboa:  15h / 16h30 / 18h

Horário de partidas de Negrais: 17h / 19h / 21h

Local do evento: Pedreira amarela com entradas assinaladas na rua principal na vila de Negrais.

38°52'19.6"N 9°16'18.7"W

Serviço de informação disponível durante o dia 16 de Julho com o telefone 935702970




Apoios

Parcerias

+ Info

Brevemente

Espaço Interior / inner space

2019-10-04
2020-01-05
Curadoria: Mariabruna Fabrizi e Fosco Lucarelli
Exposição integrada na Trienal de Arquitetura de Lisboa
Exposição temporária

Inês Norton. Please do (not) touch

2019-06-28
2019-08-25
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Trabalho inédito que enfatiza a reconfiguração do Toque no desenvolvimento necessário de uma nova linguagem gestual e corporal, adaptada ao desenvolvimento tecnológico e à recente percepção digital
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a possibilidade de decidir a forma de explorar
Exposição individual

Márcio Vilela. Satellites

2019-04-12
2019-06-09
Curadoria: Adelaide Ginga
Um ponto branco sobre fundo preto. Uma aparente estrela no céu negro da lua nova.
Exposição individual

Graça Morais. Metamorfoses da Humanidade

2019-03-22
2019-06-02
Curadoria: Jorge da Costa e Emília Ferreira
Uma reflexão sobre as múltiplas faces da natureza humana, com as suas fragilidades e as suas aterrorizadoras atitudes predatórias.
Exposição individual

A incontornável tangibilidade do livro ou, o ANTI-LIVRO

2019-03-22
2019-06-02
Curadoria: Luis Alegre e Adelaide Ginga
Materialmente estimulante, imaterialmente ilimitado, o Livro é talvez, o objeto dos objetos
Exposição Coletiva