Hugo Canoilas - Endless Killing (2008)
Hugo Canoilas - Endless Killing (2008)

Negrais

Entrada Livre

Morte Sem Fim

Hugo Canoilas

2016-07-16
Curadoria: Emília Tavares

Morte sem fim é a primeira iniciativa pública do projeto Debaixo do Vulcão de Hugo Canoilas que será apresentado no Museu Nacional de Arte Contemporânea- Museu do Chiado (MNAC-MC) para a 2a edição do MNAC/SONAE Art Cycles de 18 de Novembro de 2016 (inauguração) a 26 de Março de 2017.

 

No dia 16 de Julho, a pintura panorâmica de 100 metros, Endless Killing (2008), será instalada numa pedreira de pedra amarela localizada a 500 metros do centro da vila de Negrais. Esta instalação especial serve como convite a visitar o local onde decorrerão filmagens que farão parte de um dos filmes a serem expostos em Novembro. Este momento será também uma oportunidade de conhecer a obra Endless Killing.

Esta obra de escala imponente, uma interpretação da história da violência construída através da própria história da pintura, foi realizada e apresentada pelo artista pela primeira vez no Centro de Arte Contemporaneo Huarte em Espanha. Dado a sua origem remontar a esse outro contexto, ao ser exposta como cenário para a filmagem durante a Festa de Negrais e passar a incorporar o local e os espectadores,  a obra ficará sujeita a uma reformulação do seu sentido. Esta transformação da obra, do evento e do público em parte integrante das filmagens reformula também a relação entre espectadores passivos e ativos, entre agentes receptores e agentes formadores de experiência.

 

Morte sem fim irá ainda contar com uma presença musical, com um  concerto de Filipe Felizardo e a banda sonora de Sonja. O material musical apresentado propõe-se como banda sonora para o filme em produção e, em sintonia com o conceito do projeto Debaixo do Vulcão, será simultaneamente um objeto autónomo e um fragmento da totalidade do projeto.

 

Deste mesmo modo, Morte sem fim, como evento autónomo terá também como complemento os petiscos tradicionais e bebidas características de uma festa de vila servidas numa caravana. Sobre esta caravana encontra-se a enigmática frase “No se puede vivir sin amar.” Um elemento, com tom de convite iniciático, que se desvelará com o decorrer do projeto.


Transporte gratuito mediante marcação prévia e sujeito ao limite de lugares disponíveis, de Lisboa para Negrais e regresso a Lisboa. Marcações até 6ª feira 15 Julho às 14h.

Marcações através do email: mnacchiado@gmail.com ou do telefone 21 3432148

Local de partidas e regresso: Rua Capelo 13, Chiado (à entrada do MNAC – Museu do Chiado)

Horário de partidas de Lisboa:  15h / 16h30 / 18h

Horário de partidas de Negrais: 17h / 19h / 21h

Local do evento: Pedreira amarela com entradas assinaladas na rua principal na vila de Negrais.

38°52'19.6"N 9°16'18.7"W

Serviço de informação disponível durante o dia 16 de Julho com o telefone 935702970




Apoios

Parcerias

+ Info

Em Exibição

Loops Lisboa. 4ª edição

2018-11-30
2019-02-03
SOBRE O LOOPS.LISBOA
Vídeo

MIGUEL SOARES. Luzazul

2018-11-23
2019-02-24
Curadoria: Adelaide Ginga
Miguel Soares é o artista convidado nesta 3ª edição do projecto bienal SONAE / MNAC Art Cycles e traz-nos em LUZAZUL uma proposta artística inédita que reflecte sobre a Inteligência Artificial.
Art Cycles

Tomás da Anunciação (1818 - 2018)

Bicentenário do nascimento do artista

2018-10-26
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
O MNAC assinala o dia 26 de outubro, data em que se comemoram os 200 anos do nascimento do pintor
Evento

O poder da imagem

2018-10-12
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
Estes retratos de artistas, poderosos em sensibilidade e qualidade técnica, destacam-se pelo seu carácter inédito.
Exposição da coleção

Carlos Relvas (1838-1894) - Vistas Inéditas de Portugal

A Fotografia nos Salões Europeus

2018-09-27
2019-01-20
Curadoria: Victor Flores, Ana David Mendes, Denis Pellerin, Emília Tavares
Esta exposição revela um dos períodos menos conhecidos da fotografia de Carlos Relvas e um conjunto considerável e inédito de provas originais em albumina
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção