pensamento-estômago
pensamento-estômago

MNAC

Entrada Livre

pensamento-estômago

Musa paradisiaca

2015-03-18
2015-03-31
Curadoria: David Santos
A Musa paradisiaca e o Princípio da Restauração


Desde 2010 que o projeto artístico Musa paradisiaca realiza intervenções ancoradas na prática discursiva e no desenvolvimento, segundo as suas próprias palavras, de “parcerias temporárias com entidades individuais e coletivas de variadas competências”. O objetivo primeiro é construir e ampliar “uma família pensadora, revelada por muitas vozes”. Por isso, o diálogo e a verbalização plural em torno das formas, das matérias, suas simbologias ou micronarrativas, constituem os eixos operativos por onde se afirma uma prática de reflexão e descoberta, criando assim as condições para o desenho de particularíssimas cosmologias, como resultado da “discussão” e da “audição” do objeto, do tema ou do conceito que espoleta todo o processo de envolvimento e comunicação.


Como uma “filosofia prática” que procura a invenção de um culto e de uma comunidade, o projeto obedece a procedimentos específicos e a uma ética da observação em torno do objeto no espaço simbólico da arte, que mistura de modo deliberado o trabalho artístico, o seu discurso e a energia associada à estratégica de o pensar. Daí se potencia uma sensualidade definida pelo contributo polivocal dos narradores convocados, que estabelecem o diálogo paralelo em torno das histórias dessas formas e materiais postos em discussão.


Partindo de um pensamento estômago como conceito da intriga, o projeto apresentado no exercício da plataforma RAUM introduz uma amplitude nova nesse processo dialogante e experimental, traduzida pela abertura, através do anonimato dos participantes, ao discurso do narrador desconhecido. No sistema de uma rede de participação que não será controlada a priori, dependente que está da temporalidade natural e concreta da realidade on line, abre-se outra etapa de colaboração, desafiando os visitantes do RAUM ao discurso de um “pensamento” que passará literalmente, mas também em analogia, pelo “estômago” e pela “digestão”. Estes “pensamentos” realizam uma espécie de dissecação revelada na verdade dessas “entranhas” simultaneamente obscuras e transparentes, sobretudo quando observadas na crua análise do depósito de uma conversação sustentada pela ideia de que, se tudo se pode comer, tudo se pode pensar pelo estômago.


A proposta desta forma desenvolvida como Principio de Restauração, assume ainda o estatuto de “primeira ceia” ao exercer uma dupla magia da atração, tanto pelo ato de comer em grupo, como pelo desafio dos significados, na exploração física e metafórica do exercício da refeição. O pão será o elemento “objeto”, no domínio real ou simbólico, de circulação entre todos os participantes, performando essa partilha, esse convívio narrativo e comunitário.


O pensamento resultará assim de uma digestão concreta que procura a definição de um espaço formativo, na integração progressiva do alimento primordial e dos vários contributos discursivos nele inspirados. O resultado final estará naturalmente dependente do apetite ou do enfado dos que responderem ao desafio desta mesa singular.

Em Exibição

VIRGÍNIA LOPES DE MENDONÇA (Lisboa, 1881-1969)

2018-10-12
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
Sobrinha dileta de Columbano, Virgínia Lopes de Mendonça destaca-se como escritora de livros infantis
Exposição Permanente

O poder da imagem

2018-10-12
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira
Estes retratos de artistas, poderosos em sensibilidade e qualidade técnica, destacam-se pelo seu carácter inédito.
Exposição da coleção

Carlos Relvas (1838-1894) - Vistas Inéditas de Portugal

A Fotografia nos Salões Europeus

2018-09-27
2019-01-20
Curadoria: Victor Flores, Ana David Mendes, Denis Pellerin, Emília Tavares
Esta exposição revela um dos períodos menos conhecidos da fotografia de Carlos Relvas e um conjunto considerável e inédito de provas originais em albumina
Exposição temporária

SALOMÉ LAMAS, EXTINÇÃO, 2018

2018-09-21
2018-11-25
Curadoria: Emília Tavares
O mais recente filme de Salomé Lamas, Extinção aborda a problemática das fronteiras na atual Rússia e o latente conflito que algumas destas regiões mantêm, sob o peso da história da ex-URSS.
Exposição individual

José Pedro Cortes. Um realismo necessário

2018-06-28
2018-10-28
Curadoria: Nuno Crespo
Em Um Realismo Necessário, José Pedro Cortes renova a sua forma de olhar para a matéria e a superfície do nosso tempo a partir de um conjunto de fotografias que revelam o seu interesse na representação do corpo
Exposição individual

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção