pensamento-estômago
pensamento-estômago

MNAC

Entrada Livre

pensamento-estômago

Musa paradisiaca

2015-03-18
2015-03-31
Curadoria: David Santos
A Musa paradisiaca e o Princípio da Restauração


Desde 2010 que o projeto artístico Musa paradisiaca realiza intervenções ancoradas na prática discursiva e no desenvolvimento, segundo as suas próprias palavras, de “parcerias temporárias com entidades individuais e coletivas de variadas competências”. O objetivo primeiro é construir e ampliar “uma família pensadora, revelada por muitas vozes”. Por isso, o diálogo e a verbalização plural em torno das formas, das matérias, suas simbologias ou micronarrativas, constituem os eixos operativos por onde se afirma uma prática de reflexão e descoberta, criando assim as condições para o desenho de particularíssimas cosmologias, como resultado da “discussão” e da “audição” do objeto, do tema ou do conceito que espoleta todo o processo de envolvimento e comunicação.


Como uma “filosofia prática” que procura a invenção de um culto e de uma comunidade, o projeto obedece a procedimentos específicos e a uma ética da observação em torno do objeto no espaço simbólico da arte, que mistura de modo deliberado o trabalho artístico, o seu discurso e a energia associada à estratégica de o pensar. Daí se potencia uma sensualidade definida pelo contributo polivocal dos narradores convocados, que estabelecem o diálogo paralelo em torno das histórias dessas formas e materiais postos em discussão.


Partindo de um pensamento estômago como conceito da intriga, o projeto apresentado no exercício da plataforma RAUM introduz uma amplitude nova nesse processo dialogante e experimental, traduzida pela abertura, através do anonimato dos participantes, ao discurso do narrador desconhecido. No sistema de uma rede de participação que não será controlada a priori, dependente que está da temporalidade natural e concreta da realidade on line, abre-se outra etapa de colaboração, desafiando os visitantes do RAUM ao discurso de um “pensamento” que passará literalmente, mas também em analogia, pelo “estômago” e pela “digestão”. Estes “pensamentos” realizam uma espécie de dissecação revelada na verdade dessas “entranhas” simultaneamente obscuras e transparentes, sobretudo quando observadas na crua análise do depósito de uma conversação sustentada pela ideia de que, se tudo se pode comer, tudo se pode pensar pelo estômago.


A proposta desta forma desenvolvida como Principio de Restauração, assume ainda o estatuto de “primeira ceia” ao exercer uma dupla magia da atração, tanto pelo ato de comer em grupo, como pelo desafio dos significados, na exploração física e metafórica do exercício da refeição. O pão será o elemento “objeto”, no domínio real ou simbólico, de circulação entre todos os participantes, performando essa partilha, esse convívio narrativo e comunitário.


O pensamento resultará assim de uma digestão concreta que procura a definição de um espaço formativo, na integração progressiva do alimento primordial e dos vários contributos discursivos nele inspirados. O resultado final estará naturalmente dependente do apetite ou do enfado dos que responderem ao desafio desta mesa singular.

Em Exibição

NOITES DE VERÃO 2019

Concertos às Sextas-feiras em Agosto

2019-08-02
2019-08-23
Curadoria: Filho Único
NOITES DE VERÃO 2019 concertos às Sextas-feiras em Julho no Jardim dos Coruchéus em Agosto no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado pelas 19h30 e com entrada livre
Concertos

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a exploração do tema
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-10-27
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção