Ângela Ferreira: Escala (1995)
Ângela Ferreira: Escala (1995)

Galeria do Bar

entrada: Condições Gerais

Uma Escala, uma Sequência, o Engenho da Deriva e um Filme Retardado

Ângela Ferreira

1995-11-24
1996-03-18
Curadoria: Pedro Lapa

As máquinas do tempo de Angela Ferreira

O trabalho de Ângela Ferreira desde cedo tem assumido a ruptura da indistinção dos géneros artísticos, no entanto esta característica assume particularidades de teor operativo com importância capital nas suas obras. A relação entre a imagem fotográfica ou gráfica e a experiência tridimensional dos objectos escultóricos que lhe estão associados escava um conjunto de cumplicidades de ordem formal onde a cultura erudita, em que o modernismo se confinou, encon-tra a sua manifestação em objectos de uso quotidiano, próprios da cultura popular urbana das sociedades pós-industriais. A ambiguidade estabelecida entre uma possível dimensão estética inscrita na formalidade dos objectos ou um olhar esteticamente condicionado que a sugere levanta uma questão de ordem fenomenológica que desconstrói o formalismo que os processos de realização destes trabalhos poderiam pressupor. É na interrogação da relação entre a formalidade das obras, com o seu tempo histórico, e o seu aparecer ahistórico que se joga uma questão decisiva a do processo de modernização, as reflexões por ele suscitadas num tempo que já lhe é estranho e a sua inércia depois da utopia constitutiva do próprio projecto.

Neste sentido a presente instalação de Ângela Ferreira, Uma Escala, uma Sequência, o Engenho da Deriva e um Filme Retardado, vem questionar um problema central na sua produção que é o tempo. Este foi também o aspecto que a artista escolheu para abordar uma colecção em que a modernidade portuguesa e as suas especificidades periféricas constituem o tema dominante. Uma estrutura icónica de valor esquemático subjaz a cada uma das obras. Assim na Escala para além da apropriação do aspecto gráfico, mais evidente, é um período de tempo o da colecção do Museu do Chiado que é enunciado, bem como um entendimento linear e mecanicista. A este sucede-se outro de conotação modernista que uma Sequência vem contrapor. A valorização perceptiva dos materiais e do aspecto formal de filiação abstracta não deverá iludir um fundo conceptual totalmente diverso onde a par da sequência dos materiais usuais da escultura tradicional um tempo em espiral, hegeliano, se anuncia. Como uma crítica a este tempo teleológico, o Engenho da Deriva reapropria materiais de produção industrial, adapta-os e cita a arquitectura envolvente, quase apagando a sua presença, e estabelece um paralelismo entre duas situações dessincronizadas que vem dividir a unilateralidade do conceito de tempo da peça anterior. Os tempos da modernidade encontram-se assim politicamente divididos entre centro e periferias. O Filme Retardado ao operar a passagem da figuração para a abstracção e ao repor a sincronização através do movimento dos passos configura um movimento tendencial e terminal do modernismo. A rarefacção material realizada pela desfocagem da imagem aliada à sua desaceleração pressupõe a quase extinção do tempo.

Uma ambiguidade é assim forjada entre a utopia espacial modernista, associada a uma liberdade radical, e o indefinido de um movimento cego e redutor das diferenças à mesmidade, próprio do não-lugar que é a virtualidade. No entanto, a virtualização, que se substitui à utopia, também pode ser clivada positivamente como, no fundo, acontece com toda a instalação, ao possibilitar o seu dispositivo retórico historicizante. Como não existe espaço puro fora da teoria, a conceptualização dos percursos históricos do modernismo faz-se através de formas residuais e o seu sublime é aqui o virtual.

Em Exibição

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a exploração do tema
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

A incontornável tangibilidade do livro ou o ANTI-LIVRO

2019-03-22
2019-08-04
Curadoria: Luis Alegre e Adelaide Ginga
Materialmente estimulante, imaterialmente ilimitado, o Livro é talvez, o objeto dos objetos
Exposição Coletiva

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-10-27
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção