MNAC

entrada: Condições Gerais

Exposição retrospectiva

Mário Eloy

1996-07-12
1996-09-29
Curadoria: Raquel Henriques da Silva / Pedro Lapa / Maria de Aires Silveira / María Jesús Ávila
Referência fundamental da história da arte em Portugal e, provavelmente, o mais notá­vel artista da primeira metade do nosso século XX, Mário Eloy constitui um caso onde notoria­mente se entrelaçam a vida e a arte.
Quase autodidacta na sua formação, extraordinariamente intuitivo e atento ao pulsar da contemporaneidade, Eloy soube, melhor que qualquer outro artista do nosso segundo moder­nismo, traduzi-la na pintura e no desenho.
Uma existência aventurosa conduzi-lo-ia, primeiro, a Madrid e Sevilha, depois a Paris e a Berlim, num percurso de descoberta e atenção aos artistas modernos e de afirmação de uma veia expres­siva, que com o seu temperamento inflamado se acertou.
Dos retratos, Eloy passou para a transfiguração das mitologias e dos ícones lisboetas das varinas e das paisagens urbanas, aquelas impositivas e quase ameaçadoras, estas crescentemente imagi­nárias e oniricamente distorcidas. Uma fase de maturidade, na redescoberta de um cânone classicista, patente em nus e auto-retra­tos, foi igualmente interlúdio e veículo de maturidade para a reflexão sobre o drama vivencial do próprio artista, no quadro internacional do drama alemão e histórico. A inquietação e a an­siedade de Eloy materializaram-se em formas e cores irrealistas, verdadeiro grito contra o desconcerto das coisas, insuficiente também ele para o apaziguamento da sua personalidade.
Incompreendido e apoiado por poucos, apesar de reconhecido, e com escassos amigos devota­dos - Diogo de Macedo, António Ferro e, sobretudo, o arquitecto Jorge Segurado, companheiro da adolescência - o drama de Eloy, agravado pela doença, culminaria na renúncia de si e do mundo, e no exílio forçado na casa de saúde do Telhal, anunciado pelas fantasmáticas visões de morte e ressurreição das derradeiras obras.
Tempestuoso e solitário em vida, exemplo certo de talento inato, senão de génio, Eloy é hoje unanimemente aclamado no panorama do modernismo em Portugal. Singularmente porém, e apesar de uma fugaz homenagem promovida em 1958, após a sua morte pelos (poucos) amigos, Eloy não havia sido, até agora, objecto da retrospectiva que há muito se impunha e que reava­liasse a importância fulcral da sua obra.
A exposição Mário Eloy, que  agora se apresenta, é fruto de um longo e criterioso trabalho de investigação e pesquisa, promovido por uma equipa eficientemente dirigida por Raquel Henri­ques da Silva, Directora do Museu. Do mesmo modo, salienta-se o laborioso trabalho de conservação, investigação laboratorial e restauro realizado pelo Instituto de José de Figueiredo, bem como o consequente estudo material da pintura de Eloy, que neste catálogo se inclui, e ainda o contributo imprescindível do Arquivo Nacional de Fotografia. Uma palavra de especial apreço merecem ainda as Instituições que cederam obras para esta notável retrospectiva - nomeada­mente o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian - os coleccionadores parti­culares que, generosamente, igualmente as emprestaram, e ainda a Arquitecta Madalena Eloy e o Pintor Paulo Ferreira, que permitiram o revisitar da figura de Eloy, através do seus testemunhos, memórias e documentos.
A personalidade, o talento e o universo de Mário Eloy ficam assim, finalmente, justamente homenageados e colocados ao alcance do grande público. O presente catálogo é, sem dúvida, uma obra de referência, indispensável a especialistas e amadores de arte, cumprindo, mais uma vez, uma das grandes linhas programáticas do Instituto Português de Museus, na criação de um laço efectivo entre a investigação, a conservação e a catalogação do património cultural móvel a sua musealização e divulgação.

Simonetta Luz Afonso
Directora do Instituto Português de Museus

Em Exibição

.

2022-11-25
2022-12-30
MOSAICO | Uma imaginação coletiva
Exposição Coletiva

Echoes of Nature

Manuela Marques

2022-10-21
2023-01-29
Curadoria: Emília Tavares
Exposição no âmbito da programação da Temporada Portugal-França 2022
Exposição individual

IMAGO LISBOA Photo Festival

Harri Pälviranta

2022-10-07
2023-01-08
O IMAGO LISBOA Photo Festival é um acontecimento marcante no panorama da fotografia nacional e internacional. Este ano com a mostra “Battered”; “Choreography of Violence”; “News Portraits”
Exposição individual

Multiplicidade

TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA

2022-10-02
2023-01-08
Curadoria: Tau Tavengwa, Vyjayanthi Rao
A cada três anos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
Exposição Coletiva

PORQUÊ?

2022-09-23
2023-01-08
Curadoria: Ana Matos
PORQUÊ? A ARTE CONTEMPORÂNEA EM DIÁLOGO COM O PENSAMENTO DE JOSÉ SARAMAGO
Exposição temporária

Veloso Salgado

de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português

2022-07-02
2022-12-15
Curadoria: Maria de Aires Silveira, MNAC e Elikya Kandot, Directora do museu de Boulogne-sur-mer
Exposição Veloso Salgado de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português - integrada na programação da Temporada Portugal-França (Cruzada)
Fora de Portas

Desde 1911

2022-05-26
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
111 anos

Maria Eugénia & Francisco Garcia

Uma Coleção

2021-11-18
2022-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares e Raquel Henriques da Silva
O MNAC expõe a coleção de Maria Eugénia e Francisco Garcia
Exposição temporária