Gillian Wearing, Broad Street, 2001
Gillian Wearing, Broad Street, 2001

MNAC

entrada: Condições Gerais

Broad Street

Gillian Wearing

2001-05-22
2001-09-30
Curadoria: Pedro Lapa
Broad Street é o nome de uma avenida central de Birmingham, cidade britânica que na últi­ma década conheceu uma certa prosperidade económica pela instalação de novos centros de decisão da actividade.
Paralelamente a avenida foi povoada de bares e discotecas tornando-se um lugar de diver­são nocturna concorrido e suficientemente maioritário para o estabelecimento de uma indústria de entretenimento. Rapidamente os hábitos do lugar foram transformados pela agitação de centenas de jovens que vagueiam de bar em discoteca até ao encerramento de toda esta panóplia de diversão e consumo. Durante três fins de semana Gillian Wearing decidiu filmar as ruas e os interiores das discotecas da Broad Street, de forma mais ou menos oculta, aproximada ou aproximada pelo zoom da câmara, quase sempre fixa, man­tendo, por isso, um afastamento que deixa em aberto o lugar do observador dos múltiplos acontecimentos que vão decorrendo ao longo da noite. A mistura e a montagem destes registos, distribuídos por seis vídeos projectados pelas quatro paredes de uma sala, cercam o observador tornando impossível uma percepção total dessa simultaneidade excessi­va de situações, acompanhados pelos seus ruídos e músicas estridentes. As dimensões variadas das projecções nas paredes geram uma proliferação de imagens que no decurso temporal da sua apresentação travam relações entre si, não só pelos pólos de interesse do observador e consequente direcção da atenção, mas também pela aparente sequência de acções ou reconhecimento de um mesmo cenário nas diversas projecções. Assume assim relevância a relação espacial das diferentes projecções que suscita articulações entre si e que o observador realiza através de uma montagem sobre as montagens de cada projecção. O som de cada registo coexiste com os outros, no entanto sofre continuamente enfoques através do volume mais destacado de uma determinada situação. Esta flutuação de enfoques sonoros dos vários registos visuais organiza uma sequência no curso do desenvolvimento temporal da peça. Todavia é também neste decurso que a atenção suscitada pela pluralidade de estímulos tende a dissociar o som da visualidade, já que progressivamente a atenção descola da relação directa de ambos os registos: sonoro e visual. Este facto, gera uma instabilidade provocada pela parcialidade da percepção do observador que sabe sempre que algo mais está a acontecer, embora a tal não possa fisicamente aceder. A multiplicidade de registos descobre-se assim como uma constelação a que escapa qualquer centralidade de um ponto de vista. Produz-se com isso uma imagem composta, possibilitada pela própria instalação.


Perdro Lapa
Director do Museu do Chiado

Em Exibição

.

2022-11-25
2022-12-30
MOSAICO | Uma imaginação coletiva
Exposição Coletiva

Echoes of Nature

Manuela Marques

2022-10-21
2023-01-29
Curadoria: Emília Tavares
Exposição no âmbito da programação da Temporada Portugal-França 2022
Exposição individual

IMAGO LISBOA Photo Festival

Harri Pälviranta

2022-10-07
2023-01-08
O IMAGO LISBOA Photo Festival é um acontecimento marcante no panorama da fotografia nacional e internacional. Este ano com a mostra “Battered”; “Choreography of Violence”; “News Portraits”
Exposição individual

Multiplicidade

TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA

2022-10-02
2023-01-08
Curadoria: Tau Tavengwa, Vyjayanthi Rao
A cada três anos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
Exposição Coletiva

PORQUÊ?

2022-09-23
2023-01-08
Curadoria: Ana Matos
PORQUÊ? A ARTE CONTEMPORÂNEA EM DIÁLOGO COM O PENSAMENTO DE JOSÉ SARAMAGO
Exposição temporária

Veloso Salgado

de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português

2022-07-02
2022-12-15
Curadoria: Maria de Aires Silveira, MNAC e Elikya Kandot, Directora do museu de Boulogne-sur-mer
Exposição Veloso Salgado de Lisboa a Wissant. Itinerário de um pintor português - integrada na programação da Temporada Portugal-França (Cruzada)
Fora de Portas

Desde 1911

2022-05-26
2024-04-01
Uma intervenção que celebra os 110 anos do MNAC.
111 anos

Maria Eugénia & Francisco Garcia

Uma Coleção

2021-11-18
2022-12-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares e Raquel Henriques da Silva
O MNAC expõe a coleção de Maria Eugénia e Francisco Garcia
Exposição temporária